Artigos

Esquerda continua presa aos dogmas do passado. Por isso está sem futuro

28/06/2017

Esquerda continua presa aos dogmas do passado. Por isso está sem futuro

É preciso democratizar as oportunidades

O povo não gosta de receber esmola

   

O mundo da política deveria dar mais atenção aos resultados da pesquisa Percepções e valores políticos nas periferias de São Paulo, patrocinada pela Fundação Perseu Abramo, órgão doutrinário do PT.

Conhecidas no final de março deste ano, as informações coletadas permitem entender não apenas a crise da “esquerda” brasileira, mas também visualizar o tremendo fosso existente entre a pregação dos partidos tradicionais e os reais anseios da população.

Esquerda ou direita, pouco importa. Ou melhor, essa distinção ideológica não faz o menor sentido para a população de baixa renda (classes C e D) na periferia paulistana. Seus julgamentos, lê-se no texto, “flutuam em zigue-zague, de posições mais conservadoras a mais progressistas dependendo do assunto abordado”. Conforme citado, “Direita é alguém direito, correto. Esquerda é quem vive reclamando”. Sensacional.

Desapareceu a velha luta de classes, conceito que organiza o raciocínio da esquerda, principalmente a marxista; segundo os entrevistados, patrões e trabalhadores estão no “mesmo barco”. Agora, o grande inimigo, comum a todos, é o Estado. Diz a pesquisa: “ O principal confronto existente na sociedade não é entre ricos e pobres, entre capital e trabalho, entre corporações e trabalhadores. O grande confronto se dá entre Estado e cidadãos, entre a sociedade e seus governantes”.

Fixou-se, na metodologia, que 30% das pessoas a serem pesquisadas deveriam receber, ou terem recebido, auxílios como Bolsa Família. Mesmo assim, suas respostas valorizam o mérito: “Para ser alguém na vida são necessários trabalho e esforço”. O que desejam eles? Democratizar as oportunidades, ressaltando a importância da educação, para que possam subir na vida. Por conta própria. Conclusão: o povo não gosta de esmola.

Torna-se fácil entender, dessa forma, porque João Doria venceu no 1º turno. Sabe-se que o PT, recebendo a pesquisa, torceu o nariz, tentou sumir com o relatório, mas caiu na real: a população que ele manobrava, seja acirrando o ódio contra os patrões, seja oferecendo os favores oficiais, se distanciou do discurso virulento e populista. O povo quer ser valorizado, não manipulado.

São históricas e complexas as razões que levaram, nas últimas décadas, a essa mudança na aspiração do eleitorado nacional. Importa-me, aqui, tão somente destacar que a visível “direitização” da política nacional não se deve, apenas, à desilusão causada pela corrupção generalizada que caracteriza a era Lula. Ela advém, também, de novos comportamentos típicos da sociedade digital, globalizada, do século 21. Entre os mais jovens, especialmente, o “empreendedorismo” representa a chave de sucesso na vida. A PJ substitui a CLT.

Vivem no mundo da lua os antigos políticos. Eles, da “direita” como da “esquerda”, ainda apostam no marketing político tradicional para vender ilusões ao eleitorado. Parece que desta vez, face à tremenda crise ética e moral, e com o fracasso total do sistema político, surjam novas lideranças conectadas com o século 21, conectadas ao verdadeiro sentimento predominante nos bairros metropolitanos desse país carente de esperança.

Falta, ainda, um elemento essencial para entender os desafios da “esquerda” no Brasil, para não dizer da política em geral. A pesquisa da Fundação Perseu Abramo captou, consistentemente, uma forte agregação familiar e um poderoso sentimento religioso na periferia paulistana: “A família é o grande alicerce e solução para os problemas individuais e coletivos, o antídoto para a crise moral da sociedade”. E a religião fornece o “principal espaço de sociabilidade, constituindo uma rede de apoio e solidariedade”.

Isso não traz propriamente uma novidade. Outros estudiosos dos valores populares e da sociabilidade humana no Brasil mostram, há tempos, os mesmos resultados, catalogados por analistas esquerdóides como “conservadores”. Pode ser. Mas o rótulo arcaico pouco ajuda na compreensão desse fenômeno sociocultural. Pouca gente tem dado importância a esse movimento, muitos o desprezam.

Meritocracia, família, religião, empreendedorismo, não são temas que agradam à esquerda, pois ela continua presa aos dogmas do passado. Por isso está sem futuro.

 

Artigo publicado: 28/06/2017 - http://www.poder360.com.br/opiniao/brasil/esquerda-continua-presa-aos-dogmas-do-passado-por-isso-esta-sem-futuro/